A crise do coronavírus representou também uma crise evidente para a educação. Muitos estudantes e profissionais da área foram prejudicados pela pandemia, mas será que o ano letivo está perdido por conta dessa situação?

O coronavírus ocasionou em diversas mudanças no nosso dia a dia. Para a educação, a mudança se deu pincipalmente pela adaptação às aulas remotas, que foi a solução mais funcional e segura para que as instituições de ensino não parassem de atuar.

Essa situação rendeu diversas discussões sobre a funcionalidade e efetividade desse modelo de ensino. Muitos estudantes, principalmente os dos primeiros anos da educação básica, não se adaptaram ao modelo de ensino a distância, o que logo gerou uma redução no rendimentos dos mesmos.

Uma outra ocorrência se deu para os vestibulandos que irão participar da redação do ENEMexame padrão de ingresso ao ensino superior e já teve a sua realização adiada em 2020 por conta da pandemia do coronavírus.

Como mencionado, as aulas remotas precisaram entrar às pressas no nosso modelo educacional e para as instituições públicas de ensino, essa adesão ao modelo remoto demorou um pouco mais. Além disso, muitos estudantes da rede pública se encontram em situação de vulnerabilidade ou baixo acesso a tecnologia.

Por isso, os estudantes que participaram das inscrições para o ENEM 2021 já estavam preparados para uma das condições mais complicadas para a realização do Enem.

Então, podemos dizer que o ano letivo está perdido?

Apesar das grandes dificuldades do ano letivo, vale a pena trazer à discussão igualmente alguns projetos que surgiram para amenizar os efeitos do coronavírus para a educação. Na realidade, esses projetos ficaram sujeitos a decisão do Governo de cada estado e por isso, não se aplicam á nível nacional.

Alguns estados tiveram projetos de incentivo a tecnologia, oferecendo auxílio para que estudantes pudessem comprar aparelhos mínimos para ter acesso às aulas. Outros disponibilizaram pacotes de auxílio internet a fim de que os estudantes pudessem acompanhar às aulas.

Também lançaram-se projetos de aulas online para estudantes da rede pública que iriam participar do Enem. Essas aulas são ofertadas em parceria com instituições de ensino superior da rede pública e são totalmente gratuitas.

No geral, todo o modelo de ensino deve se adaptar ao ensino online em pouco tempo e por isso, as instituições têm buscado a melhor forma de oferecer os conteúdos para os alunos e logo, estarão melhor acomodadas a recepcionar o modelo EAD.